"Somos como águias enjauladas; mas mesmo por detrás das grades podemos olhar os céus expansivos e extrair inspiração de uma estrela." Pensamentos para aspirantes- Sri Ram

Mistérios de Eulêusis

Na antiguidade, celebravam-se durante estes mês um dos maiores Mistérios da humanidade. Na Grécia ficaram conhecidos pelos Grandes Mistérios de Elêusis. Também existiam os Mistérios Menores, estes por sua vez eram vividos em Fevereiro.

 
Durante 9 dias, tempo que duravam as festividades, viviam-se várias cerimónias, nas quais, até dado momento o profano poderia participar, sendo a restante cerimónia reservada apenas a Iniciados ou àqueles que se apresentavam à iniciação, ou seja, discípulos que mostraram que estavam preparados para receber estes ensinamentos.

 
A Experiência vivida por aqueles que participavam nestes mistérios era tal, que desse dia em diante não mais eram a mesma pessoa. Embora as cerimónias públicas sejam mais ou menos conhecidas, o que acontecia no círculo mais interno, que transmutaria drasticamente os seus participantes, nunca foi revelado pois na maior parte das vezes tais ensinamentos eram passados sob pena de morte se fossem passados a alguém que não estivesse em condições de os receber.

 
Do pouco que se sabe, estavam estes Mistérios relacionados com o conhecimento sobre a morte e a ressurreição. Esta lição, velou-a Homero no mito do rapto de Perséfone.

 
Resumidamente diz-nos esse mito o seguinte:
Perséfone estava a colher flores num campo. Notando um narciso dirigiu-se a ele para o colher. Quando se preparava para o fazer, Hades, o senhor dos Infernos, irrompe de uma fenda que se abriu na terra e rapta-a, levando-a consigo para o inferno.
Deméter, a Grande Senhora da renovação da Natureza, mãe de Perséfone, pressentindo que algo de errado tinha acontecido com a sua filha partiu à procura desta sem a encontrar e durante 9 dias não soube noticias dela, até que, no décimo dia, Hécate lhe contou o sucedido.
Deméter ficou tão desgostosa que não mais permitiu que a vida na terra germinasse. Assim, rapidamente a terra ficou desolada.
Zeus, preocupado com a situação da terra, envia Hermes ao inferno para falar com Hades, com o intuito que este libertasse Perséfone. Hades, após algum tempo, aceitou libertar Perséfone, mas antes de a libertar deu-lhe a comer um gomo de Romã.
Perséfone volta à superfície ao encontro de sua mãe e as duas durante algum tempo viveram felizes e em júbilo, mas como Perséfone comera um alimento do mundo subterrâneo, teria novamente de regressar ao inferno, porque assim ditavam as leis. Perséfone ficaria dois terços do tempo na terra e um terço no inferno sob o consentimento de Zeus o qual Deméter aceitou devolvendo novamente a Vida à Terra.

2 comentários:

Sun disse...

"O mito é o nada que é tudo
O mesmo sol que abre os céus
(...)
O corpo morto de Deus"

F.P

É belíssimo este mito, apesar de triste. Aliás, de todos os que estudei em Latim, este e o mito de Narciso são os meus preferidos. E o de Europa também, e Rômulo e Remo...enfim, todos! Adoro :)

Um beijo Azoth, uma boa quinta-feira ;)

Richard Hermeticum disse...

Olá,
A descrição dos Mistérios de Elêusis, presente na obra "Grécia Mágica - o Fogo secreto dos Gregos" é, sem duvida, muito interessante.
Para aqueles que gostam da mitologia, como a Sun, gostaria de sugerir mais duas obras. A "Tragédia Grega" de Jorge Angel Livraga é excelente não só na exposição como na interpretação de alguns mitos. A outra obra é a "Origem da Tragédia" (grega) de Nietzsche que explora de forma profundíssima o estado Apolineo e o estado Dionisíaco da vida.

Um bem haja!
Richard

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin